1989 – 20ª Bienal de São Paulo, Curadoria João Cândido Galvão, Sectiones Mundi

Performance na obra Sectiones Mundi de Denise Milan.
MARIA DUSCHENES Dança Coral Origens II, 1991

 

20ª Bienal de São Paulo, 1989
Sectiones Mundi, Instalação permanente
Jardim de esculturas do Museu de arte Moderna - MAM
Curadoria João Cândido Galvão
Co-autoria Ary Perez
São Paulo

 

Secção do mundo. Labirinto. Procurar. O minotauro. O mistério. Ariadnes não existe mais. Cada um deve produzir o seu fio. Procurar suas entradas. Arriscar. Creio ser o RISCO a tônica dessa instalação ambiental de Denise Milan. Em dois sentidos. O primeiro é o de perigo. A coragem de desafiar conceitos estabelecidos. De criar uma obra não para ser exibida, mas para ser escondida - um dia - pela vegetação do Parque Ibirapuera. Para ser usada - como assento, mesa - e não olhada de fora.
Também risco no sentido de traço, de linha que se insere na paisagem sem violentá-la, materializando a interferência da artista que trabalha em consonância com as forças vitais.

A forma: a Távola Redonda. O Santo Graal. A comunhão. A partir de qual cada um dos eleitos sai para iniciar a sua busca. Ao final, no centro, o minotauro de cada um está à espera. Denise enfrentou o desafio, submeteu-se às provas e chegou ao centro da Terra. Para encontrar o seu EU. Porque o minotauro de cada um de nós é o nosso Eu profundo, o habitante daquelas regiões obscuras que evitamos explorar. Denise ousou, e saiu mais rica dessa experiência.

João Cândido Galvão
Crítico de arte e curador.

 

Denise Milan - Sectiones Mundi, 20ª Bienal SP, 1989

Denise Milan - Sectiones Mundi, 20ª Bienal SP, em frente ao prédio da Bienal

 

Denise Milan - Sectiones Mundi, 20ª Bienal SP, 1989

Denise Milan - Sectiones Mundi, 20ª Bienal SP, em frente ao prédio da Bienal

 

Denise Milan - Sectiones Mundi, 20ª Bienal SP, 1989

Denise Milan - Sectiones Mundi, 20ª Bienal SP, em frente ao prédio da Bienal

 

Denise Milan - Sectiones Mundi, 20ª Bienal SP, 1989

Denise Milan - Sectiones Mundi, 20ª Bienal SP, em frente ao prédio da Bienal